O Chianti é um dos vinhos tintos italianos mais famosos do mundo, mas nem todos sabem que ele não é uma uva. Na realidade, o Chianti é uma mistura de uvas plantadas em uma região na Toscana e que hoje possui duas denominações: Clássico e DOCG.

Chianti Clássico

O termo “Clássico” significa que é produzido na zona central histórica, normalmente de melhor qualidade.

Essa receita leva a mistura das uvas tintas Sangiovese e as autorizadas Canaiolo Nero, Cabernet Sauvignon, Merlot e Syrah. Antigamente, as uvas brancas Trebbiano Toscano e Malvasia Branca faziam parte desta receita, contudo passaram a ser proibidas desde a safra de 2006.

A região em questão é a primeira região vinícola a ser delimitada no mundo (1716) e fica entre as cidades de Siena e Firenze, que possui um clima continental e chuvas anuais de 800 a 900 mm.

Em 2013, passou a ser produzido em três tipos: Annata, Riserva e Gran Selezione.

O Annata não possui exigências no tempo de maturação. O Riserva precisa maturar por dois anos em barrica de madeira e ter 12,5% de álcool. O rendimento máximo permitido é de 52,5 hl/ha.

Já o Gran Selezione é caracterizado com uvas de um único vinhedo ou seleções das melhores uvas da vinícola. Estes vinhos amadurecem por 30 meses em barrica de madeira e tem no mínimo 13% de álcool.

Sugestões Bacco’s

Nossas sugestões de Chianti ClassicoChianti Classico Marchese Antinori Reserva 2012 , Santo Del Chianti Classico DOCG 2008 BrancoChianti Classico Peppoli 2015, Chianti Classico Rocca 2014Chianti Classico Castello D’Albola 2013.

Região de Toscana

DOCG Chianti

Já o DOCG Chianti fica em cidades expandidas: Colli Arentini, Colli Fiorentini, Colli Senesi, Colline Pisane, Montalbano, Montespertoli e Rùffina. E, em contrapartida, inclui uvas brancas na produção. A receita é parecida, sendo uma mistura das uvas Sangiovese, Canaiolo Nero, as brancas Trebbiano Toscano e Malvasia Bianca e autorizadas.

Como o Classico, também possui suas versões: Rosso, Superiore, Riserva e Sub-Regional.

A primeira versão tem como característica um limite inferior de álcool de 10,5% e não pode ultrapassar 63 hl/ha. A Superiore um mínimo de álcool de 11,5% e no máximo 52,5hl/ha de rendimento.

O Riserva se diferencia por sua passagem por 2 anos em barricas de madeira, sendo 3 em garrafa. Por fim, o Sub-Regional tem as mesmas características do Riserva, mas com graduação alcoólica de 11-12,5%.

Sugestões Bacco’s

Da mesma forma, sugerimos: Rufina 2015 (pontuação 89 WS), Val di Merse Riserva DOCG 2014Rufina Nipozzano Riserva 2011 (Premiação : 89 pontos Wine Spectator e 89 pontos Robert Parker), Val di Merse Poggio Salvi DOCG 2014Querceto DOCG 2016Colli Senesi Poggio Salvi DOCG 2013.

Como resultado deste artigo, nós sugerimos uma harmonização de um belíssimo Chianti com pizza, clique aqui para ver.